O escuro vira energia

Pesquisadores desenvolveram um dispositivo para geração de energia que funciona contrária aos painéis solares. Em vez de produzir eletricidade por meio de calor e luz do sol ele gera energia a partir da escuridão da noite. E segundo os inventores ele tem potencial para superar as limitações dos painéis solares tradicionais. Os cientistas são da Universidade de Stanford, Los Angeles e Universidade da Califórnia. A base desse dispositivo funciona a partir de diferenças de temperatura registradas em duas faces de uma cerâmica que tem propriedades condutivas. Como funciona ? O lado que fica voltado para baixo é aquecido pelo ar que circula perto da superfície onde o aparelho é instalado. Nos testes ele foi colocado no topo de um edifício e o lado de cima que fica voltado para o céu noturno é resfriado naturalmente. 


A perda de calor é liberada no espaço e cria uma diferença de temperatura entre a parte superior e a inferior do material cerâmico que chega a  2 °C. Isso faz com que os elétrons se movam de uma face a outra do dispositivo, produzindo uma pequena corrente elétrica. 


Os cientistas conseguiram gerar uma quantidade de energia de 25 miliwatts por metro quadrado e fizeram funcionar um díodo que é capaz de emitir luz. É muito pouco. É, muito pouco mesmo, mas com o passar do tempo eles acreditam melhorar a tecnologia e entre as aplicações previstas para o dispositivo , uma delas será que ele possa ser usado para carregar sensores de movimento e o funcionamento de lâmpadas em regiões remotas.



10.000 km / h

O que você não verá no vídeo abaixo é alguma coisa parecida com algo que saiu de um filme de ficção científica. Só que não, isto é real. Trata-se de um foguete deslizador que pode viajar a mais de 8 vezes a velocidade do som, o que podemos traduzir para mais de 10.000 quilômetros por hora. Ele faz parte dos testes da Força Aérea americana que publicou o vídeo. Na verdade o foguete pode viajar a exatamente 10.620 quilômetros por hora, ou seja, falando na linguagem hipersônica...a Mach 8,6. O teste foi feito em uma base da Força Aérea que fica no deserto do Novo México, nos Estados Unidos. 





Sábado com Música



David Bowie - Heroes





Montanha Russa


Iron Gwazi  - Divulgação

O Busch Gardens Tampa Bay terá em 2020 um desafio para quem ama passar medo ou sentir aquele friozinho na barriga. Ele vai ganhar a Iron Gwazi, a montanha-russa híbrida mais alta da América do Norte e a mais rápida e íngreme do mundo. Ela terá 63 metros de altura, uma queda a 91º e vai chegar a velocidade máxima de 122 km/h. A volta nela incluirá três inversões de sentido e 12 picos de airtime (sensação de gravidade zero) . A gigante vai deslizar em um trilho roxo de aço de 1.242 metros de extensão.... 




Miojo é bom ?

Uns dizem que sim, outros que não, mas isso não importa....pelo menos prá um futuro pai lá na China ele serviu prá alguma coisa. Ele usou 2.000 pacotinhos de miojo que já estavam vencidos para construir uma casinha prá filha que está para nascer. Pouco se sabe sobre ele, Só que a sua profissão é construtor, só o 1° nome é  Zhang. Mas afinal de contas, até que ficou bem legal.....







Como o 11 de setembro mudou os rumos da história

Bom, o que foi todo mundo já sabe.......No dia 11 de setembro de 2001, terroristas da Al-Qaeda, comandados por Osama Bin Laden, lançaram dois aviões contra o conjunto de prédios do World Trade Center apelidado de Torres Gêmeas. O ataque deixou 3 mil mortos e desaparecidos e mais de 6 mil feridos. Sem contar que com a poeira e fumaça tóxicas milhares também desenvolveram câncer e doenças graves. Os primeiros afetados foram os milhares de bombeiros, socorristas, médicos ou voluntários mobilizados para o atendimento nas torres.No vídeo um pequeno resumo dessa tragédia :





Ele recria tecidos

Olhe bem para essa imagem :



O nome desse pedacinho de "pele" é Epitélio.

O Brasil ganhou o primeiro laboratório de bioengenharia de tecidos da América Latina. Ele fica localizado no Rio de Janeiro. Ele vai fornecer amostras de pele humana recriadas como alternativa para uso em animais cobaias. Ele será uma filial da Episkin, subsidiária da L’Oréal. Foi implantado no campus do Fundão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e é a terceira unidade a entrar em operação no mundo, junto à de Lyon, na França, e a de Xangai, na China. Ele tem capacidade de produzir por semana milhares de tecidos de pele e epitélios. Por exemplo : Ele pode produzir córneas com um rigoroso controle de qualidade. O Brasil sempre importou da França a preços altíssimos esses tecidos para pesquisas e desenvolvimento, mas a diferença agora é que este modelo está disponível para as comunidades científicas brasileiras e latino-americanas e para qualquer empresa interessada. A Episkin produz os únicos validados e recomendados pela Organização Mundial de Saúde e aceitos no mundo todo. A “matéria-prima” são quase que 100% restos de cirurgias plásticas. Os restos são cedidos com autorização do paciente, vai para o laboratório, e lá se extraem as células. Essas células específicas são cultivadas em placas de cultura e, depois de 17 dias em contato com o ar, se proliferam, formando múltiplas camadas. Um grande avanço para o país. \0/